Biodiversidade. O que é e porque é importante
E. Casetta, S. Di Marco, C. Vieira da Silva (Org.)
Gradiva, 2018

Comprar

A nossa vida e a vida das gerações futuras dependem da biodiversidade. Porém, a biodiversidade está em risco desde que a nossa espécie emigrou de África, há cem mil anos. Posteriormente, com o desenvolvimento da agricultura, intensificou-se aquilo que muitos investigadores designam como “Sexta Grande Extinção”, uma perda drástica de espécies provocada pelas actividades humanas. Contudo, a biodiversidade não pode ser simplesmente identificada com as espécies que povoam o planeta, e explicar exatamente o que ela é, e porque é importante conserva-la não é nada simples. Este livro, que inclui contribuições de biólogos e filósofos, expõe estes temas de forma clara e acessível a um público não especializado, oferecendo uma abordagem simples, mas ao mesmo tempo cientificamente informada, a um tópico extremamente complexo.

 

Sumário

Introdução

Parte I – O que é a biodiversidade

Cap. 1 – O inventário da vida (E. Casetta)

Cap. 2 – Biodiversidade e evolução (D. Vecchi)

Cap. 3 – O que é a biodiversidade? A perceção do público comum (C. Vieira da Silva)

Parte II – A importância da biodiversidade

Cap. 4 – Biodiversidade entre Economia e Ecologia (L. Vicente)

Cap. 5 – Biodiversidade e serviços do ecossistemas (S. Di Marco)

Cap. 6 – Biodiversidade agrícola (J. Marques da Silva)

 

 


Forthcoming


 

From Assessing to Conserving biodiversity – Beyond the Species Approach
Eds. E. Casetta, D. Vecchi, J. Marques da Silva
Springer Series “History, Philosophy and Theory of the Life Sciences”, 2018

When it made its appearance in 1985, the term “biodiversity” was, implicitly or explicitly, intended to refer to species diversity. Assessing biodiversity was considered as one and the same thing as inventorying species, and conserving biodiversity consisted in maintaining the inventory. But a characterization in terms of mere species diversity does not seem to fully capture the multitude of dynamic interactions at different levels and scales from which biodiversity results. In the light of this acknowledgement, a set of basic question shall be re-proposed: which are the salient units of biodiversity? How do such units interact among them within the same level and with other levels, and how can this interaction give rise to novel diversity? Is it possible to keep together, in an ideally comprehensive account, this enormously complex interplay of units belonging to different levels and describable and evaluable at different temporal and spatial scales? How to bridge epistemologies concerning biodiversity conservation? And how to link these epistemologies with the practical concern of conserving biodiversity? These and similar questions will be addressed by philosophers, biologists, ecologists, and systematicists, in the context of this book.

Filosofia da Biodiversidade
A. Borghini & E. Casetta
Colibri edições, 2018

Sumário

Introdução
Cap. 1 - A biodiversidade
Cap. 2 - As espécies
Cap. 3 - Biodiversidades antropocêntricas

 


bar_logos